As principais chuvas de meteoros visíveis do hemisfério sul!

 

 

Chuvas de meteoros em Outubro

 

Neste mês manifestam-se vários radiantes meteóricos. Dentre as chuvas mais importantes destacamos a Draconídea, a Tau-Orionídea, a Eta-Piscídea e a dos Orionídeos.

 

a) a Draconídea foi efetivamente detectada em 1926 por muitos astrônomos profissionais e amadores, na noite de 9 de outubro quando apresentou taxa horária de 60 meteoros. Nessa ocasião, os astrônomos estabeleceram a relação entre os draconídeos e o cometa 21P/Giacobini-Zinner, pertencente à família de Júpiter, cujo período orbital é de 6,6 anos (o mesmo dos meteoróides). Por este motivo, os meteoros são comumente chamados de giacobinídeos na literatura. Sabemos, atualmente, que os meteoróides não estão espalhados uniformemente ao longo do cinturão, mas distribuídos em acúmulos ao longo da órbita, implicando na existência de "encontros mais favoráveis" entre a Terra e o cinturão a cada 13 anos, aproximadamente (duas vezes o período do cometa 21P/Giacobini-Zinner). Assim, as taxas horárias são variáveis de ano para ano. Os draconídeos são vistos no período de 6 a 10 de outubro com uma máxima ocorrência no dia 9, ocasião onde a taxa horária pode atingir 100 meteoros. O radiante, ponto do céu de onde parecem provir os meteoros, situa-se na posição: Ascensão Reta = 17h 28min e Declinação = +54°. Em outubro, a área do radiante é vista apenas nas primeiras horas da noite (entre o anoitecer e as 21h, aproximadamente), para os lados do noroeste. Por serem observados nessas circunstâncias, os draconídeos são excepcionalmente lentos. Freqüentemente, os meteoros são amarelos. Pela posição do radiante, os habitantes do sul do Brasil podem encontrar dificuldades na observação, sendo que a chuva é melhor observada das regiões norte e nordeste.

 

b) a Tau-Orionídea possui radiante próximo às Três Marias, na posição: Ascensão Reta = 05h 44min e Declinação = -03°. O período de observação dos meteoros é longo, estendendo-se de 23 de setembro a 28 de outubro, com o máximo no dia 10, quando são esperados 11 meteoros por hora. No início de outubro, a área do radiante eleva-se a leste por volta das 22h 30min, permanecendo visível até o amanhecer. Atinge a região alta do céu em torno das 5h. Os tau-orionídeos são meteoros rápidos e devem ser preferencialmente observados nas altas horas da madrugada, exibindo as colorações branca e azul. A posição favorável do radiante e o valor estimado para a taxa horária tornam a chuva um bom alvo para os amadores.

 

c) a Eta-Piscídea manifesta-se em um longo período, de 25 de setembro a 2 de novembro, com um máximo em 13 de outubro, quando são esperados 15 meteoros por hora. São meteoros lentos e muitos possuem longas durações. Os astrônomos acreditam que há uma relação entre esta chuva e o cometa 2P/Encke, cujo período orbital é de 3,3 anos. O radiante, ponto de céu de onde parecem provir os meteoros situa-se na posição: Ascensão Reta = 01h 44min e Declinação = +14°. Em meados de outubro, o radiante está acima do horizonte leste ao anoitecer, atingindo a região alta do céu por volta das 23h e pode ser vista até às 4h, quando está para os lados do oeste.

 

d) a chuva dos orionídeos é anual e de grande intensidade, com média horária de 30 meteoros junto ao dia 21 de outubro, data da máxima ocorrência. O radiante, ponto do céu de onde parecerão provir os meteoros, situa-se nas proximidades da estrela Betelgeuse (Alpha Orionis), na posição: Ascensão Reta = 06h 20min e Declinação = +16º. O período de observação dos meteoros inicia-se em 2 de outubro e se estende até 7 de novembro. Alguns observadores mencionam ocorrências significativas de meteoros nos dias 22 e 20. Como há indícios que a atividade máxima se concentra em cerca de três dias, recomendamos que as observações sejam concentradas nos dias 20, 21 e 22 de outubro. Os meteoros exibem magnitudes aparentes típicas entre + 2,5 e +3,1 e mostram-se com cores variadas: amarelos, verdes e branco-azulados. Geralmente são muito rápidos e os mais brilhantes mostram traços persistentes. Os orionídeos estão associados ao cometa 1P/Halley, cujo período orbital é de cerca de 76 anos. Os astrônomos estabeleceram, também, uma relação entre os orionídeos e os eta-aquarídeos, também associados ao 1P/Halley, cujo máximo acontece em 5 de maio; as chuvas ocorrem quando a Terra cruza regiões próximas à órbita do famoso cometa. Em meados de outubro, o radiante eleva-se a leste por volta das 21h 30min e permanece visível até o amanhecer, atingindo sua altura máxima em torno das 4h. Entretanto, os orionídeos são vistos preferencialmente na alta madrugada.

 

 

resumo extraído de  "Chuvas de Meteoros - Guia Prático de Observação"

de autoria de Paulo G. Varella e Regina A. Atulim

 

 

 

voltar